TJSC Busca Textual

Sistema de Consulta a Atos Normativos

documento original
Categoria: Resolução
Texto Compilado: Não
Número: 16
Ano: 1999
Origem: GP - Gabinete da Presidência
Data de Assinatura: 09/08/1999
Data da Publicação: 12/08/1999
Diário da Justiça n.: 10275
Página: 1
Caderno: Caderno Único



Documento(s) relacionado(s):

Relacionamento Número Ano Origem Baixar
É alterada por 4 2011 GP - Gabinete da Presidência Baixar









Íntegra:



Atenção: A versão HTML deste documento é gerada de forma automática e a apresentação abaixo pode conter formatação divergente do documento original. Para acesso ao documento, em seu formato original, clique aqui para iniciar o download.



RESOLUÇÃO Nº 16/99 - GP



              O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, no uso de suas atribuições,



              Considerando o que dispõe o inciso VII, do artigo 85 da Lei nº 6.745, de 28 de dezembro de 1985 e o artigo 36 da Lei Complementar nº 81, de 10 de março de 1993;



              Considerando a necessidade de estabelecer critérios para a concessão da Gratificação de Insalubridade aos servidores do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina,



              RESOLVE:



              Art. 1º Os servidores do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina farão jus à Gratificação de Insalubridade, de acordo com o disposto no inciso VII, do artigo 85 da Lei nº 6.745/85 e artigo 36 da Lei Complementar nº 81/93.



              Parágrafo único. Para os efeitos desta Resolução entende-se por atividades insalubres aquelas que, por sua própria natureza ou métodos de trabalho, expõem direta e permanentemente os servidores a agentes físicos, químicos ou biológicos nocivos à saúde, em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.



              Art. 2º A caracterização e a classificação dos locais ou atividades insalubres serão realizadas pela Gerência de Saúde do Servidor, da Secretaria de Estado da Administração, ou quem a suceda, que emitirá laudo pericial de avaliação, nos moldes das normas vigentes.



              § 1º A emissão do laudo ficará condicionada à solicitação, pelo Presidente do Tribunal de Justiça, à Secretaria de Estado da Administração.



              § 2º Ocorrendo mudança substancial do ambiente laboral, das instalações físicas, dos equipamentos e dos métodos de trabalho, os quais foram considerados para confecção do laudo pericial, a emissão de um novo poderá ser solicitada.



              Art. 3º O valor da Gratificação de Insalubridade a que se refere esta Resolução terá como base de cálculo o valor de vencimento equivalente ao coeficiente da referência "A" do nível "7" do Grupo Ocupacional Atividades de Nível Médio - ANM-07/A -, constante da Tabela de Vencimentos da Lei Complementar nº 90, de 01 de julho de 1993, observados os seguintes percentuais:



a) 40% (quarenta por cento) para grau máximo;



b) 30% (trinta por cento) para grau médio;



c) 20% (vinte por cento) para grau mínimo;



              Art. 4º A Gratificação de Insalubridade não abrange a hipótese de servidor que no exercício de suas atribuições fique exposto a agentes nocivos apenas em caráter eventual e deixará de ser paga quando o servidor não mais exercer o tipo de atividade que deu origem ao seu pagamento ou quando estiver afastado do exercício de suas funções.



              § 1º Consideram-se como de efetivo exercício para o pagamento da Gratificação de Insalubridade o usufruto de férias, licença-prêmio e os afastamentos de licença-gestação, licença para tratamento de saúde própria ou em pessoa da família.



              § 2º Será assegurada ao substituto a percepção da Gratificação de Insalubridade enquanto perdurar a substituição.



              Art. 5º Ficam convalidados os pagamentos efetuados a título de Gratificação de Insalubridade ocorridos após a edição da Lei Complementar nº 81, de 10 de março de 1993. 



              Art. 6º Cabe à Diretoria de Administração adequar as atuais situações às normas desta Resolução, inclusive os pagamentos ainda não realizados, de processos já deferidos, deverão obedecer à nova base de cálculo.



              Art. 7º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.



              Florianópolis, 09 de agosto de 1999.



              Presidente



Sistema de Busca Textual - Versão 1.7.2 | Tribunal de Justiça de Santa Catarina 2017